Sugestões para se profissionalizar na escrita

Muitas pessoas com quem converso tem me perguntado como se faz para ser escritor, escritora. Diversas por curiosidade, outras por desejo, algumas por desconfiança. Resolvi compilar nesse texto alguns passos que dei – e que continuo dando – no caminho de uma profissionalização na escrita.

Alerta! Não me considero – ainda – uma escritora profissional. Apesar de ter decidido me dedicar integralmente a esse ofício, tenho uma trajetória longa pela frente. Por isso, não quero com essas dicas sugerir que basta fazer isso ou aquilo e você será um profissional da escrita, pelamor de Machado de Assis!

  • Você precisa ser autônomo!

Isso quer dizer que além de pesquisar muito para descobrir bons cursos livres, oficinas e literatura especializada você precisa formar um filtro pessoal que equilibre suas escolhas entre custos, retorno em conteúdo, qualidade e diversidade dos professores e assim por diante. Fora da academia há muitos cursos livres e oficinas, vá construindo sua própria “grade curricular” de acordo com seus anseios e necessidades. Se você está fora de São Paulo e Rio de Janeiro, existe muito material de qualidade e oferta de cursos online! Formação acadêmica em Escrita Criativa no Brasil é para poucos, está em poucos lugares e recém começando. Países da Europa ou Estados Unidos já tem na sua cultura a promoção da Criação Literária como parte importante na cadeia do livro, entendida como trabalho, estudo, pesquisa e técnica, não apenas intuição vinda das “musas” ou fruto de golpes boêmios de inspiração. A PUC-RS tem uma trajetória mais longa nesse sentido, muito por causa do prof. Luiz Antônio de Assis Brasil e sua Oficina de Criação Literária com mais de trinta anos. Hoje eles promovem a oficina e cursos em nível de graduação e pós. Aliás, aproveita e dá uma lida nesse texto ótimo do Daniel Gruber “Para que servem as oficinas literárias?”

Com isso tudo quero te dizer que se tens desejo de estudar e de trabalhar com Escrita Criativa é muito mais provável que você tenha que construir um caminho bastante autônomo, compondo seu próprio mosaico de saberes. Isso pode ser difícil, pois fomos educados a receber conhecimentos de maneira estruturada por outros. Matricula aqui nessa graduação, no final diploma e tcharãn! Tudo resolvido.

  • Amplie seu repertório de conhecimentos o máximo possível.

O que tenho feito é construir a visão mais abrangente possível da escrita. Não acho saudável nos colarmos em um tipo de técnica. Algumas pessoas acham que exista uma espécie de receita. Eu escrevo como uma expressão de quem eu sou e para fazer isso melhor estudo e busco ter o maior repertório possível de técnicas para encontrar minha própria voz no meu trabalho.

A primeira oficina que fiz foi em uma Feira do Livro de Porto Alegre, em 2007 ou 2008, com a Anna Claudia Ramos – eu nem estava muito consciente do que estava fazendo e esse assunto voltou para a gaveta por uns bons anos. Com a mente mais focada, em 2016 eu fiz por um semestre o Curso de Introdução à Escrita Criativa com Tiago Novaes – professor de diversas oficinas em São Paulo e da pós-graduação Formação de Escritores do Instituto Vera Cruz. Esse curso, sem dúvidas, foi um divisor de águas. Principalmente porque eu estava mais consciente do processo, mas foi nele que desmistifiquei o trabalho do escritor, compreendi meus bloqueios e comecei a me autorizar a escrever, fortemente impulsionada pela publicação da antologia de contos ao final do curso. Troquei muito com colegas, tive meus textos lidos por estranhos pela primeira vez, li muito a produção de outros colegas, recebi comentários, análises do professor. O Tiago é psicólogo então há elementos subjacentes no curso dele que ajudam muito a impulsionar quem é menos autoconfiante ou que ainda não sente que é legítimo de se aventurar na escrita. 

Em 2017, quis me dedicar mais ao estudo do texto infanto-juvenil e fui atrás da Anna Claudia Ramos de novo! Encontrei ela pela internet e iniciei no segundo semestre aulas particulares pelo Skype (ela é do Rio de Janeiro), foram muitas indicações de leitura, análises de textos infantis ruins e bons, criação e revisão. Foi daí que saiu o texto do meu primeiro livro “Um Encontro Mágico”! Em 2018 fiz um curso sobre Literatura Infantil com a especialista na área Elaine Maritza, na Metamorfose Cursos, uma escola aqui em Porto Alegre que realiza diversas oficinas com conteúdos específicos e que oferece o Curso Livre de Formação de Escritores. As turmas são pequenas e acabam resultando em publicações de textos dos alunos através da editora de mesmo nome. Eles também tem cursos online!

No verão de 2019 iniciei a assinatura da Hardcover, a plataforma de membros do escritor André Vianco. Eu já acompanhava há alguns anos o trabalho dele a partir da newsletter e do blog da Vivendo de Inventar, sabia dos cursos que oferecia mas foi esse ano que entendi que aproveitaria melhor o conteúdo que ele oferece. Nessa assinatura temos acesso à algo em torno de 60 horas de aulas mas sempre vamos recebendo conteúdos renovados. Além disso, ocorrem alguns webnários muito bons com a Margareth Brusarosco que faz parte da equipe e com o próprio Vianco. Nessa assinatura também recebemos uma assessoria nas nossas criações literárias e um contato direto com oportunidades de publicação criadas especialmente para os assinantes. André Vianco ensina muito sobre as estruturas mais clássicas para os romances. Tem um grande arcabouço de técnicas de engajamento do leitor, enfocando em criarmos histórias que prendam o leitor até o final do livro. Um ponto muito significativo é que acabamos por fazer parte de uma comunidade muito engajada de escritores através de grupo do Whatsapp, podemos tirar dúvidas, trocar ideias, pedir referências nas mais diferentes áreas, ter contato com colegas que trabalham com revisão, diagramação, criação de capas, ilustrações.

Esse ano também comprei numa promoção o curso online Primeiros Escritos da Raquel Agavino do blog O Livro Aberto. Ela é bastante didática e prática em ensinar técnicas de revisão de textos, mostrar a estrutura básica de diferentes gêneros literários, ótimo para quem está começando. Além disso, estou namorando (muito mesmo) os cursos do LabPub, uma escola voltada à formação EAD na área editorial. Há uma infinidade de cursos online de muita qualidade!

  • Se você quer ser escritora, escritor, aprenda lendo né!?

Há muito conhecimento bem consolidado acessível através da literatura técnica sobre Escrita Criativa. Em 2015 eu havia visto uma nota sobre o lançamento do livro “Sobre a escrita” do Stephen King, comprei e quem sabe tenha sido ele o responsável pelo pontapé de uma fase mais consciente na escrita. Sempre acreditei que os escritores “baixavam” aqueles textos dos livros “automaticamente”. Achava que o que eu lia no livro publicado tinha saído daquele jeito de primeira. Quando li o King contando dos seus processos, de como ele faz uma primeira escrita mais “no fluxo”, deixa o texto descansar e depois volta para a PRINCIPAL parte do trabalho, que é reler, reescrever, tirar as sujeiras e as gorduras, disponibilizar a leitura para os leitores beta, voltar para o texto, mexer, dar para o editor ler, voltar para o texto…enfim! Me dei conta que ter uma história viajando na cabeça era 2% do processo de escrever o livro e foi aí que percebi que poderia haver um caminho de construção para chegar lá.

Quando me inscrevi no curso do Tiago Novaes, recebi uma apostila com diversos textos, um dos que ele fala muito é “O Escritor e a Fantasia” do Freud, gostei bastante também de “O Narrador” presente no livro “Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura” do Walter Benjamin. Os livros mais indicados pelo Tiago foram:

– Como funciona a ficção, do James Wood (MUITO difícil de encontrar, perneei os sebos aqui de Porto Alegre e não consegui na época, ele ficou esgotado um tempo mas agora está disponível novamente na Amazon, facinho de comprar.

– A arte do romance, do Milan Kundera (não li e não tenho, permanece na lista)

– Aspectos do Romance, do E.M. Forster (tenho mas ainda não li)

Durante as aulas particulares que fiz com a Anna Claudia Ramos adquiri o livro dela:

– Nos bastidores do Imaginário: Criação e Literatura Infantil e Juvenil (só achei no sebo)

Nesse estudo ela analisa quatro obras da Ana Maria Machado. O livro é riquíssimo principalmente para pensarmos a criança, como a representamos e como falamos com ela na literatura infantil e juvenil.

Adquiri alguns livros também, fruto de outras indicações e pesquisas minhas, nem todos estão lidos já, porque, enfim, a lista é grande!

– Oficina de Escritores: um manual para a arte da ficção, do Stephen Koch. Bem abrangente, fala desde a vida do escritor até variedade de estilo e técnicas de revisão. O autor foi professor de pós-graduação na School of Arts da Columbia University por mais de vinte anos.

– A arte de escrever, do Schopenhauer. Está na fila!

– Viver e escrever, vol. 3 da Edla Van Steen. Contém entrevistas com autores como Vinicius de Moraes, Nelson Rodrigues, Rachel de Queiroz e Lygia Fagundes Telles. (fruto dos meus garimpos na Feira do Livro de Porto Alegre)

– Como se encontrar na escrita, da Ana Holanda. A autora é jornalista e editora-chefe da revista Vida Simples. Nesse livro ela traz os elementos necessários para uma “Escrita Afetuosa”, quem conhece a revista e os textos que têm lá vai compreender. O objetivo é pensar sobre textos que sejam capazes de provocar empatia, de tocar o outro, de inspirar.

– Escrever Ficção: um manual de criação literária, do Luiz Antônio de Assis Brasil. Lançado esse ano pela Companhia das Letras, assim que pude corri para comprar. Ainda não li todo, mas já passei os olhos e de longe a gente percebe a quantidade de conteúdo que tem ali. Se ainda não podemos fazer a oficina do Assis Brasil, agora podemos levar ele pra casa. Maravilha!

  • Leia muito e de tudo!

Sim, essa é a dica que você mais vai ouvir. Leia muito e leia de tudo. Eu tenho na minha “rotina de trabalho” uma hora para leitura. E antes de dormir eu sempre leio mas essa não está contabilizada como “tarefa”. O Stephen King fala pra ler o que tem de bom, de clássico e tal, mas principalmente ler o que tem de ruim por aí. É onde a gente mais aprende! Mas, ok, às vezes basta passar os olhos e pular uns trechos, porque fica difícil né. Uma escolha importante que fiz nesse processo foi assinar a TAG – Experiências Literárias. Eu fiquei pensando como, afinal, fazer para “ler de tudo”. Horas nas livrarias e a minha indecisão absoluta para escolher apenas um livro não iam ajudar. Faz dois anos então que a TAG manda para minha casa o que ela bem entender e ainda pago por isso! Mas amo! Sem dúvida foi fundamental para ter acesso à uma diversidade literária e ainda receber junto uma revista, com entrevista com a curadoria do mês, texto sobre o autor ou autora do livro enviado, contexto histórico, movimento literário etc. Riquíssimo para quem ama literatura e mais ainda para quem quer estudar literatura.

  • Aproveite o conteúdo gratuito que a internet te oferece

Hoje tem, simplesmente, MUITA coisa sobre Escrita Criativa na internet, seja experto – principalmente se o dindin tá curto – e aproveite tudo que tem de graça por aí. Ok, eles vão tentar te vender cursos e livros depois, mas, é só filtrar e compreender também que conteúdo de qualidade custa para ser produzido e é normal que os criadores estejam fazendo seu marketing. Dicas de gente bacana para acompanhar:

Canal Escrita Criativa no YouTube: é o canal do Tiago Novaes e recomendo fortemente que você assista a série “Diário do Romance” que ele fez em 2016 enquanto escrevia o novo livro dele.

Carreira Literária, site, canal no Youtube e instagram. Organizados pela Flavia e a Alessandra o canal e o insta tem muito conteúdo gratuito e de qualidade, os cursos delas tem ótima fama mas ainda não consegui fazer nenhum (quénquénquén)

O Livro Aberto, Raquel Agavino. Ebook’s com bastante conteúdo legal, blog com material interessante e oferta de cursos também.

Escritor Publicado, blog. MUITO material sobre plataforma de autor, marketing, vendas, organização de projeto literário. Vale muito acompanhar!

Concursos Literários, blog. Faz a seleção e atualização de informações sobre concursos literários, seletivas e premiações. Faço a assinatura da newletter e recebo toda a semana a atualização. Muito importante os escritores iniciantes acompanharem essas oportunidades de perto e como é difícil manter-se informado sobre tudo que tá acontecendo o blog ajuda demais.

Publishnews, site. Mais do que necessário para acompanhar o mercado editorial no Brasil.

LiteraturaRS, site. Acompanho para ter informações mais específicas do estado onde moro, novas publicações, lançamentos, prêmios, cursos, eventos.

  • Esteja consciente!

Lá vou eu tergiversar sobre o ser e o estar da vida no universo. Mas, muito bem, essa sou eu e fato é que nós somos carregados de bloqueios, travas emocionais, distorções da nossa essência. Eu divido minha trajetória na escrita entre um período inconsciente e um consciente. Primeiro era algo que estava lá, permeando meus pensamentos com histórias, rabiscos pra lá e pra cá, mas com zero aceitação ou percepção de que era realmente algo que fazia sentido para mim. Ao final do Ensino Médio eu tinha enorme desejo de fazer faculdade de Cinema (contar histórias, né?!). Meu pai me deu de presente o livro “Manual do Roteiro” do Syd Field, para eu avaliar se era isso mesmo que eu queria. Amei o livro! Me apaixonei mais ainda pelo cinema, mas, juro que não me dei conta de que aquele livro falava muito mais de escrever do que de fazer filmes!

Por muitos anos fiquei em um vai e vem com a expressão de mim no mundo. Aquele famoso “quem sou eu, onde estou, para onde vou?”. Então sugiro que você, antes de mais nada, tome consciência de você, do que você quer, do que você precisa. Não cai nessa de “ai, eu não posso ir por aqui por que isso não dá dinheiro, porque isso não é aceito socialmente, por que isso blábláblá”. Grande parte das coisas são uma questão de escolha e arcar com as consequências. Se você não está disposto às consequências não diga que é por algo externo à você que não vai dar para fazer, só diga: na verdade eu não quero tanto assim, por isso não vou fazer. Pronto. Seja responsável pelas suas escolhas.

Se algo foi útil, comenta aí! Me fala da tua trajetória, do que tem feito em busca dos teus caminhos para realizar quem você é no mundo! E vamu cê feliz que gente feliz não incomoda!

Ah! E no meu canal do Youtube, A Jornada da Escritora tem o vídeo falando ligeirinho sobre tuuudo isso que coloquei explicadinho no texto. Vai lá dar uma olhada!

4 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s